Vista privilegiada – Revista TRIP

Por Amarílis Lage – Revista TRIP

Ao ver o planeta da estação espacial, o astronauta Chris Cassidy se deu conta da relevância da questão ambiental, um dos pontos centrais em suas palestras, como as que acaba de realizar no Brasil

20170116_ccassidy_4

Rio, quinta-feira, hora do rush. Entre os passageiros em pé num vagão lotado na linha quatro do metrô, uma figura destoava: um estrangeiro alto, de corte militar, queixo quadrado e olhos azuis, vestido com um macacão azul-celeste com o emblema da Nasa. Desceu na estação General Osório, em Ipanema – não sem antes se despedir de um passageiro que o ajudou com o itinerário. Em sinal de agradecimento, lhe entregou uma foto autografada. Na imagem, posava com macacão espacial e capacete. Assinado: Chris Cassidy.

20170116_ccassidy_6

Christopher John Cassidy cresceu em York, uma cidade de apenas 12 mil habitantes no Maine. Fã de matemática e de esportes, estudou engenharia oceânica no Instituto de Tecnologia de Massachusetts e serviu por dez anos na Seal, a força de operações especiais da Marinha americana, com missões no Afeganistão e no Golfo Pérsico. Até que, em 2004, foi selecionado para se tornar um astronauta. E isso tudo sem deixar de lado o esporte: assim que voltou de sua mais recente missão espacial, ele participou do Campeonato Mundial de Ironman, no Havaí. Não por acaso, Cassidy, que ocupa o cargo de Chief of the Astronaut Office, a posição mais alta na Nasa para astronautas ativos, é descrito no site da própria agência como “um Chuck Norris, sem aquelas restrições impostas pela gravidade”.