SITAWI discute sobre Finanças Sociais em congresso de sustentabilidade do SEBRAE

Tweet about this on TwitterShare on Facebook

Finanças Sociais foi um dos temas discutidos no Clicos 2017: Congresso Internacional de Sustentabilidade do SEBRAE, que aconteceu no dia 7 de julho, em Cuiabá – MT. Marcela Miranda, analista de Finanças Sociais da SITAWI, contou sobre a experiência no campo e exemplos de mecanismos financeiros inovadores que contribuem com a ampliação do acesso a capital para organizações sociais e negócios de impacto.

O evento reuniu participantes de diversas localidades do país com objetivo de pensar e discutir o tema da sustentabilidade a partir de uma perspectiva econômica e como vamos desenvolver a sociedade nessa direção.

“Para que os negócios de impacto possam se desenvolver e ajudar na solução de problemas sociais e ambientais em setores como educação, tecnologias verdes e saúde, é necessário a mobilização de capital para esse setor”, comentou Marcela. “Dessa forma, o papel da SITAWI é fornecer capital ágil, acessível e aconselhamento para que esses negócios de impacto socioambiental se desenvolvam”, completou.

Fotos Rodrigo Lorenzon (8)_baixa

Fotos: Rodrigo Lorenzon

Um dos mecanismos operados pela SITAWI é o Empréstimo Socioambiental, direcionado a empreendimentos, com ou sem fins de lucro, que atuem no território brasileiro capazes de comprovar seu impacto.

“Acreditamos que um empréstimo é uma ferramenta que amplia a oferta de produtos financeiros disponíveis às organizações sociais, complementando (não substituindo) doações ou geração de renda. É uma forma de dar mais flexibilidade e apoiar uma organização de sucesso a usar seus recursos financeiros de uma forma eficiente”, comenta Rob Packer, Gerente de Finanças Sociais, no artigo “Empréstimo, doação, investimento?” publicado na Folha de São Paulo.

Outro serviço desenvolvido pela SITAWI consiste na gestão de Fundos Filantrópicos. Esse mecanismo permite o direcionamento de recursos de apoio às causas sociais e ambientais de uma forma flexível e eficiente, aumentando o capital disponível para impacto social tanto a partir do apoio de empresas, quanto de famílias filantropas.

“Nosso maior compromisso é com o impacto socioambiental positivo. Assim, ao invés de gerar dividendo para investidores, optamos por reinvestir o dinheiro em novos empreendimentos socioambientais que demandem por capital ágil, barato e aconselhamento estratégico. Outra característica marcante dos Fundos Filantrópicos é que podem ser personalizados de acordo com cada demanda, seja de uma empresa, grupo social ou família filantropa”, destaca Leonardo Letelier, CEO da SITAWI.  

Os Fundos Socioambientais Rotativos, formados através de doações de pessoas físicas e jurídicas, são responsáveis pelo desembolso dos empréstimos já mencionados. Entre 2008 e 2016, a SITAWI já desembolsou R$4,2 milhões para 23 organizações, alcançando mais de 216 mil pessoas.

Conheça as organizações apoiadas por esses mecanismos financeiros e outros eventos que participamos ao longo do último ano em nosso relatório anual. 

Confira nosso relatório anual

Desafios sociais e ambientais cada vez maiores demandam soluções multidisciplinares e coordenadas. É nessa direção que a SITAWI tem buscado desenvolver ferramentas inovadoras e parcerias que avancem a geração de impacto socioambiental positivo. 

baixe o relatorio

Tweet about this on TwitterShare on Facebook