SITAWI contribui para o desenvolvimento de norma ISO global para títulos verdes

Tweet about this on TwitterShare on Facebook

A convite da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, o diretor de Finanças Sustentáveis da SITAWI, Gustavo Pimentel, é um dos 3 brasileiros selecionados para compor o grupo internacional de especialistas para o desenvolvimento da norma ISO 14030, que visa padronizar os requisitos para classificar um título de dívida como verde. Também fazem parte desse grupo a FEBRABAN e a consultoria Sust4in.

A nova norma da série ISO 14000, que estabelece diretrizes sobre a área de gestão ambiental, vai harmonizar as múltiplas definições de títulos verdes. Alguns dos pontos a serem definidos são: elegibilidade, uso e gestão de recursos, bem como requisitos de relato deste mecanismo financeiro.

Nesse momento, a SITAWI está liderando o grupo brasileiro de especialistas que tem a missão de consolidar um feedback nacional considerando padrões e guias já existentes. Essa versão está em debate e os principais pontos em discussão serão levados para o encontro promovido pela ISO entre os dias 18 e 20 de dezembro de 2017, em Paris.

Segundo Carla Schuchmann, consultora de Finanças Sustentáveis da SITAWI, o processo de desenvolvimento de uma norma é longo e o da ISO 14030 deverá ser concluído apenas em 2020. Para isso, serão realizados diversos encontros com especialistas até que seja possível construir uma versão final que contemple a regulamentação internacional.

Os títulos verdes foram criados para financiar projetos e ativos que tenham benefícios ambientais e/ou climáticos. O mercado brasileiro de títulos verdes já ultrapassou 11 bilhões de reais emitidos por empresas nacionais. Até o momento, a SITAWI é a única organização brasileira que já avaliou títulos verdes no país. Além disso, é pioneira em pesquisa socioambiental e coordena o Grupo de Trabalho Títulos Verdes do Laboratório de Inovação Financeira, iniciativa do Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID, da Comissão de Valores Mobiliários – CVM e da Associação Brasileira de Desenvolvimento – ABDE.

Tweet about this on TwitterShare on Facebook