R$100 milhões em novo matchfunding dobra doações para a saúde

O Fundo Filantrópico Salvando Vidas, voltado para o enfrentamento da COVID-19, é resultado de uma parceria entre BNDES, CMB, Bionexo, SITAWI e Benfeitoria. O objetivo principal é unir esforços, recursos e inteligência para apoiar os hospitais filantrópicos brasileiros em sua missão: salvar vidas.

O montante arrecadado será direcionado a hospitais filantrópicos em todo o Brasil, responsáveis por mais de 50% do atendimento do SUS e que empregam quase 1 milhão de pessoas – sendo um terço do efetivo de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem do país. A seleção destes hospitais será feita pela CMB (Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas). Com esse valor, será possível suprir a demanda de quase mil hospitais filantrópicos de todas regiões do Brasil por 1 mês e meio, tempo precioso para aguardar o mercado se estabilizar diante dos desequilíbrios de oferta e demanda.

O Fundo funcionará a partir da lógica do ‘matchfunding’. Para cada R$1 doado, o BNDES doará R$1, dobrando o valor das doações. A ação continua até que seja atingido, somados esses valores, o montante de R$100 milhões. Os recursos serão investidos em material de proteção para médicos, enfermeiros e pacientes. A primeira rodada de compra será focada em máscaras cirúrgicas e N95, Álcool Gel, luvas e aventais cirúrgicos. As demais podem incluir outros itens, como ventiladores pulmonares. Tudo será divulgado e auditado.

“Trata-se não só de apoio financeiro, mas de uma demonstração de que a sociedade pode enfrentar o problema de forma colaborativa. O BNDES usa sua capacidade de articulação para atender o que é prioritário para as pessoas agora: salvar vidas. Esperamos que a iniciativa tenha efeito multiplicador, estimulando pessoas, empresas e grandes doadores a se engajar no projeto”, disse Gustavo Montezano, presidente do BNDES.

A CMB fará o dimensionamento, junto às instituições de saúde, dos bens e serviços mais críticos à prevenção e combate ao COVID-19, bem como a seleção dos hospitais a serem beneficiados pelo “Salvando Vidas”. A Benfeitoria fará a coordenação da campanha de arrecadação. A SITAWI fará a gestão dos recursos financeiros, aquisição dos itens e prestação de contas. Já a Bionexo disponibilizará sua plataforma de tecnologia para avaliação e cotação de preços junto a mais de 10 mil fornecedores e atuará no acompanhamento junto com a CMB das entregas individualizadas em cada instituição de saúde.

“A SITAWI vai oferecer transparência para o processo e consolidar os dados dos três canais de doações: pessoas físicas, jurídicas e do BNDES. Vamos fazer o acompanhamento da parte financeira e da aquisição dos equipamentos e insumos hospitalares e, depois, a prestação de contas para o público”, comentou Leonardo Letelier, CEO da SITAWI, em entrevista para o Valor Econômico.

Veja aqui a matéria do Valor Econômico sobre a iniciativa.

O projeto é o segundo do estilo “matchfunding” realizado pelo BNDES em parceria com a SITAWI e a Benfeitoria. O Matchfunding BNDES+ Patrimônio Cultural foi o primeiro projeto do setor público a adotar um modelo de financiamento combinado, unindo o aporte direto do BNDES ao financiamento coletivo (crowdfunding) voltado para a preservação de patrimônios culturais. A cada R$ 1 doado, o BNDES aporta R$ 2, observando o valor máximo de R$ 200 mil para cada projeto. Para mais informações, acesse aqui.