Prêmios Empreendedor Social e Folha Empreendedor Social de Futuro estão com as inscrições abertas

A 13ª edição do concurso mais importante e respeitado da América Latina, Prêmio Empreendedor Social – voltado a brasileiros idealizadores de iniciativas socioambientais inovadoras com mais de três anos de atuação – está com as inscrições abertas até 10 de maio. Criada pela Folha de S. Paulo e Fundação Schwab, a premiação reconhece iniciativas em áreas como Educação, Saúde, Tecnologia Assistiva, e Meio Ambiente.

Os empreendedores de até 35 anos, gestores de negócios que estão em fase inicial (de um a três anos), podem concorrer ao 9o Prêmio Folha Empreendedor Social de Futuro. As inscrições para ambas premiações podem ser feitas pelo site folha.com.br/empreendedorsocial

São Paulo, 5 abril de 2017 – Principal concurso de empreendedorismo socioambiental da América Latina e um dos mais concorridos do mundo, o Prêmio Empreendedor Social chega à 13ª edição. Criada em 2005 pela Folha de S. Paulo e Fundação Schwab, a premiação está com as inscrições abertas de 5 de abril até 10 de maio para criadores de projetos inovadores, com mais de três anos de atuação, em áreas como Saúde, Educação, Tecnologia Assistiva e Meio Ambiente. Os gestores de negócios e líderes sociais que estão em fase inicial da iniciativa (de um a três anos), por sua vez, podem se inscrever para a 9ª edição do Prêmio Folha Empreendedor Social de Futuro.

O Prêmio Empreendedor Social tem o objetivo de selecionar, premiar e fomentar os líderes socioambientais mais empreendedores do Brasil, que desenvolvam há mais de três anos iniciativas inovadoras, sustentáveis e com comprovado impacto socioambiental. Além de projetar nacional e internacionalmente esses líderes, a Folha de S. Paulo e a Fundação Schwab – correalizadora do Fórum Econômico Mundial de Davos e idealizadora da premiação no mundo – oferecem um alto nível de qualificação e networking, viabilizando aos premiados a conquista de maiores e melhores indicadores em sustentabilidade, impacto social direto e indireto, influência em políticas públicas e escalabilidade para seus projetos. De 2005 a 2016 o Prêmio Empreendedor Social contou com quase 3 mil inscritos, um recorde da premiação no mundo.

empreendedor-social-2017-redes-sociais[1] (1)

“Ao longo de todos esses anos, a Folha tem reconhecido líderes sociais, pessoas à frente de iniciativas que se tornam mais necessárias e desafiadoras em tempo de crise, como o nosso”, afirma Sérgio Dávila, editor-executivo do jornal. “Assim como nos demais setores da economia, o terceiro setor e o ecossistema de negócios de impacto social também se ressentem da falta de recursos e investimentos.” Dávila ressalta que a premiação busca candidatos que estejam produzindo impacto social em áreas como educação, saúde, inclusão, segurança, desenvolvimento humano e meio ambiente.

“Cultivamos uma comunidade global de empreendedores sociais pioneiros, que estão de forma sistêmica gerando as soluções mais inovadoras para os maiores desafios do mundo”, afirma Karen Demavivas, líder da Fundação Schwab para as Américas.”E no Brasil temos identificado líderes que estão contribuindo de modo expressivo para o desenvolvimento de suas comunidades em todos os setores da sociedade e da economia no país.”

O Folha Empreendedor Social de Futuro, por sua vez, é dedicado aos líderes sociais de até 35 anos que estão à frente de iniciativas mais recentes, com um a três anos de atuação. Criada pela Folha de S. Paulo em 2009, essa premiação utiliza os mesmos parâmetros internacionais da Schwab para avaliar e contemplar propostas inovadoras que ainda precisam de visibilidade e de capacitação para aumentar sua atuação e influência.

O Prêmio Empreendedor Social tem patrocínio de Coca-Cola, Vivo e IEL (Instituto Euvaldo Lodi), uma iniciativa da CNI (Confederação Nacional da Indústria). Conta com a Latam como transportadora oficial e o apoio do Instituto C&A e da Porto Seguro, além da parceria estratégica do ESPM, FDC, Insper e UOL.

VENCEDORES DA EDIÇÃO 2016

Movido pela necessidade de se comunicar melhor com a filha Clara Costa Pereira, que tem paralisia cerebral, o empreendedor pernambucano Carlos Pereira desenvolveu o Livox – um aplicativo que permite a alfabetização de pessoas com algum tipo de deficiência na fala ou deficiência motora. Ganhador da edição 2016 do Prêmio Empreendedor Social, Pereira conquistou o maior concurso da área na América Latina. A categoria Empreendedor Social de Futuro foi vencida por Nina Valentini, do Arredondar – projeto que capta microdoações para ONGs. Com um projeto de reciclagem, Lucas Corvacho e Jonas Lessa, empreendedores do Retalhar, venceram a categoria Escolha do Leitor com 24,9% dos votos.

O Empreendedor Social do Ano foi eleito por um júri composto por nove especialistas de diferentes áreas. Participaram da avaliação de 2016: Hilde Schwab, presidente do conselho da Fundação Schwab para Empreendedores Sociais; Elie Horn, fundador e presidente do conselho da Cyrela, incorporadora e construtora; Maria Cristina Frias, colunista de “Mercado” na Folha; e Alexandra Loras, ex-consulesa da França no Brasil e ativista do empoderamento da mulher negra. Também integraram o júri Ana Paula Vescovi, secretária do Tesouro Nacional; Cláudio Sassaki e Eduardo Bontempo, cofundadores da Geekie e vencedores do prêmio em 2014; Ana Lucia Villela, presidente do Instituto Alana; e Ricardo Siqueira, diretor-executivo de relações institucionais da Fundação Dom Cabral, parceira do Prêmio Empreendedor Social.

BENEFÍCIOS DA PREMIAÇÃO EM 2017

Os vencedores e finalistas dos prêmios Empreendedor Social e Folha Empreendedor Social de Futuro terão os perfis publicados em caderno especial – que circula nacionalmente na Folha de S. Paulo – e no site da Folha. Todos os selecionados receberão um kit com um extenso e completo relatório de avaliação, segundo os exigentes critérios das premiações, além de fotografias e vídeo jornalísticos sobre o trabalho, para uso livre de divulgação.

Pacote de benefícios

  • – Aos finalistas e vencedores que tenham negócios sociais relacionados à geração de emprego e renda para comunidades marginalizadas será oferecido um convite para participar do processo de seleção da NESst Brasil.
  • – A SITAWI Finanças do Bem oferecerá coaching de três horas para cada um dos vencedores dos prêmios Empreendedor Social e Folha Empreendedor Social de Futuro, a ser realizado no primeiro semestre de 2018.
  • – A Artemisia concederá uma bolsa integral para o Curso Online em Negócios de Impacto Social, com acesso à plataforma por três meses (a contar de janeiro de 2017) e duas horas de mentoria da equipe do programa Aceleradora.
  • – A Endeavor concederá curadoria exclusiva de conteúdos, artigos, EaD e vídeos do portal, além de viabilizar a participação nas mentorias e webinars coletivos realizados pela organização em São Paulo.
  • – Bolsas de estudo para os cursos do Centro de Inovação e Criatividade da ESPM – desde que a organização ou empresa atenda aos critérios de seleção.
  • – Viabilização de participação em seminários e eventos de informação e capacitação na área socioambiental realizados pela Ashoka, como workshops e cursos (com bolsa integral ou parcial) em 2017.
  • – Vaga-cortesia nos cursos de Estruturação e Melhoria de Processos e Sistema de Indicadores oferecidos pela FNQ (Fundação Nacional de Qualidade).
  • – Treinamento e captação de recursos realizado pelo Idis (Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social).
  • – Consultoria jurídica de 12 horas oferecida pela Szazi Bechara Storto Advogados.
  • – Membership semestral no Impact Hub São Paulo, com acesso a eventos, plataformas, benefícios e encontros exclusivos para membros.
  • – Relatório de avaliação do projeto elaborado pela consultoria Plano CDE.
  • – Bolsa de estudo do Centro de Estudos em Sustentabilidade da EAESP – Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (GVces) para a oficina de Construção de Diálogo e Comunicação, com duração de um dia (6 horas) em 2017.
  • – Às mulheres, acesso ao comitê de seleção do programa 10.000 Mulheres, da FGV-SP (Fundação Getulio Vargas de São Paulo); e viabilização de participação em seminários e eventos de informação e capacitação na área socioambiental realizados pela FGV-SP.
  • – Aceleração de um projeto na Yunus Brasil, escolhido entre os finalistas da edição 2017. O ciclo de aceleração intensiva tem duração de 12 semanas e inclui capacitação e motivação – palestras, workshops presenciais e videoaulas, Canvas ao Business Plan e assessoria jurídica, tributária e financeira. Serão concedidas 10 licenças para o programa de aceleração digital a distância da Yunus Negócios Sociais do Brasil, com conteúdo nacional e internacional, incluindo empreendedores mentores, material de apoio e uma aula com o professor Muhammad Yunus.