Coordenação de Programas Territoriais

Programas Territoriais reúnem uma ampla variedade de parceiros e organizações que atuam de forma coordenada para alcançar um objetivo socioambiental comum. Com o intuito de coordenar demandas de diferentes agendas, a SITAWI promove a conciliação dos interesses dos atores envolvidos (iniciativa privada, agências de fomento e desenvolvimento, associações locais e governos).

Realizamos o desenvolvimento conceitual e cuidamos da gestão programática, técnica, financeira e de impacto destas iniciativas complexas, oferecendo neutralidade e expertise em gestão, possibilitando um olhar estratégico e prático no desenvolvimento do projeto.

Esta abordagem considera aspectos essenciais da Teoria de Mudança, onde os resultados esperados de curto e médio prazo e os impactos de longo prazo constituem o grande legado do programa para a área de influência ou território, visando deixar as bases mais fortalecidas e mais autônomas.

 

Programa Território
Médio Juruá 2017-2021

O Médio Juruá está localizado no sudoeste do Estado do Amazonas, uma área contínua de floresta tropical conservada. O território se encontra no município de Carauari, área central, a 1.676 km de Manaus por via fluvial. Banhado pelo rio Juruá, um dos principais afluentes do rio Amazonas, com sua nascente nos Andes Peruanos, seu curso sinuoso de água tem alta concentração de nutrientes, o que contribui para sua rica biodiversidade.

O território abriga uma área de 1,2 milhão de hectares, com duas Unidades de Conservação – a Reserva Extrativista (Resex) Médio Juruá e a Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Uacari – e parte da Terra Indígena Deni do Rio Xeruã, cobrindo uma grande área da zona rural do município de Carauari (AM). Por sua alta importância ecológica, o território recebeu o título de Sítio Ramsar, reconhecimento internacional que reforça a recomendação para que as medidas de proteção e conservação existentes sejam reforçadas e ampliadas.

Sobre o PTMJ

O Programa Território Médio Juruá (PTMJ) nasceu em 2017, com o objetivo de contribuir com o desenvolvimento sustentável do território, oferecendo meios de subsistência sustentáveis, bem-estar às populações tradicionais e conservando a biodiversidade. Entre 2017 e 2021, a iniciativa contou com o financiamento da USAID, a coordenação da SITAWI, o apoio da Natura e da Coca-Cola e a parceria com os membros do Fórum do Território do Médio Juruá. Neste período, foi elaborado um Plano de Desenvolvimento Territorial para a região, que envolveu uma ampla base de stakeholders para ampliar a escala e o impacto das iniciativas de conservação e de desenvolvimento nas dimensões social, ambiental e econômica.

A SITAWI é responsável pela articulação do projeto, coordenação das atividades e informes, avaliação dos resultados e suporte para as organizações locais. O objetivo é deixar um legado para o Médio Juruá que fortaleça e empodere todos que são da região ou trabalham nela.

Ao final de seu terceiro ano de execução, o programa mobilizou R$16,8 milhões, atendendo a mais de 3.500 moradores com melhorias socioeconômicas e contribuindo com o aprimoramento da gestão organizacional de quatro associações locais. Ajudou a conservar mais de 919 mil hectares, aprimorando a gestão territorial de áreas protegidas e comunidades do entorno, mostrando ser possível gerar impacto socioambiental positivo, envolvendo comunidades, associações, ONGs, poder público e empresas.

Para mais informações, leia os boletins de atividades do Programa Médio Juruá:

 

Programa Território
Médio Juruá 2021-2024

 

Com público-alvo de cerca de 4.500 moradores de 61 comunidades ribeirinhas e um território indígena, ao longo deste trecho do rio Juruá, a nova etapa do PTMJ segue o modelo de governança do primeiro período, envolvendo uma ampla base de atores locais e parceiros externos para, de forma participativa e colaborativa, desenvolver e implementar os projetos socioambientais. Entre eles estão, por exemplo, apoio ao manejo sustentável do pirarucu selvagem; extração de óleos vegetais; o monitoramento de praias de conservação de quelônios; empreendedorismo para jovens e mulheres; e o fortalecimento organizacional local.

Além do apoio da USAID/Brasil e da Natura, o PTMJ terá nesta segunda etapa a Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA) como parceiro estratégico e a participação da Aliança Bioversity/CIAT. A coordenação permanece com a SITAWI. Seis organizações comunitárias locais (ASPROC, ASMAMJ, AMECSARA, AMARU, CODAEMJ e ASPODEX) estão entre as implementadoras das ações. Contará ainda com o apoio do ICMBio, Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA) e OPAN.

“A primeira fase do PTMJ veio para ajudar a conseguirmos superar vários obstáculos. Esperamos que agora esse outro projeto possa consolidar a cadeia como um todo de forma que fique cada vez mais sustentável porque sabemos da sua importância aqui na região”, diz Manuel Siqueira, presidente da Associação dos Produtores Rurais de Carauari (ASPROC).

Saiba mais aqui.